Claudio Loureiro e Heads Propaganda uma das maiores agências do Brasil

A Heads Propaganda de Claudio Loureiro, é atualmente uma das 30 maiores agências de publicidade do Brasil segundo o IBOPE-Monitor. De acordo com o levantamento anual da consultoria Delloite, a agência de capital 100% nacional, sob a tutela do publicitário Claudio Loureiro, seu fundador, sagrou-se pelo segundo ano consecutivo como a que mais cresce no país.

Claudio, nascido em Curitiba, fundou há 27 anos em sua terra natal esta empresa que foi considerada, no ano de 2011, pelo Instituto Great Place to Work, uma das melhores agências de comunicação para se trabalhar no Brasil, feito que vem se repetindo nos últimos cinco anos. Embora fique no Rio de Janeiro, toda sua família, esposa e dois filhos, vivem permanentemente na capital do Estado do Paraná.

Conhecido por ser inovador, Claudio Loureiro e Heads Propaganda desenvolve campanhas diversos tipos: simples, inteligentes e bem-humoradas para diversos segmentos. Sua agência tem ganhado tanto destaque que em nove meses de 2016 conseguiu dez contas, entre elas: Vaio, O Boticário, Decathlon Brasil, Cantareira Norte Shopping, Proteste, Canal Viva, HTPro Nutrition, Farmácias Nissei, Pic-me e Trousseau, além de já ter trabalhado com Petrobrás, Volvo, 3M, Positivo Informática, SEBRAE-SP, Caixa Econômica Federal, Arbor, Claro, Istoé, Canal Futura, entre muitas outras.

Claudio Loureiro, da Heads, é membro da filial brasileira da Young Presidents’ Organization (YPO) , uma rede global de diretores executivos e líderes empresariais. Além disso, foi um dos produtores associados do filme “Rio, I Love You” e produtor do musical “A Night with Janis Joplin”, da Broadway.

A Heads de Claudio Loureiro possui escritórios no Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo e Curitiba e, dentro de seus princípios, contempla em seu crescimento o envolvimento com a sociedade. Hoje, a Heads Propaganda de Claudio Loureiro é a primeira do Brasil e da América Latina a ter subscrito os princípios de Emponderamento Feminino da ONU Mulheres, além de fazer parte da Worldwide Partners Inc., rede com a participação de 80 agências independentes de 50 países.

Para a campanha e catálogo de verão da Trousseau, empresa do segmento de cama, mesa e banho de luxo, fundada em São Paulo em 1991 por Adriana e Romeu Trussardi Neto, a Heads apresentou o tema “My Life Unplugged” (em tradução livre, Minha Vida Desconectada). Conhecida pela atenção e dedicação aos detalhes e pela qualidade de sua matéria-prima e ligação com os consumidores e a moda, a Trousseau traz em seu portfólio uma linha clássica de acessórios composto por almofadas, mantas, jogos de cama, além de linhas específicas de gifts, aromas, housewear e homewear.

A proposta da marca é ser parte do momento de desconexão da vida agitada e corrida das pessoas, para que se reconectem consigo mesmas utilizando seus produtos que, por conta da qualidade, fazem parte do imaginário de todos.

As fotos da campanha tiveram produção de Rômulo Fialdini e aconteceram no Hotel Kenoa, em Barra de São Miguel, Alagoas. Seu resultado pode ser visto em anúncios de revistas e jornais, mobiliário urbano e shoppings. Dentro do conceito de vida desconectada, o catálogo conta com depoimentos de sete personalidades de diferentes áreas.

 

5 alimentos que fazem bem para a saúde do coração

Apesar de haver uma série de fatores que podem prejudicar a saúde cardíaca, a adoção de uma alimentação balanceada tem um papel importante na proteção desse órgão. Quando aliada a bons hábitos de saúde, como a prática de atividade física regular, é possível, sim, manter o coração funcionando perfeitamente por muito tempo, bem como evitar que alguma doença se instale.

Contudo, alguns hábitos, como comer fora de hora, bem como fazer refeições na rua, podem detonar uma alimentação equilibrada. Fazem com que as pessoas acabem se descuidando da dieta saudável e consumindo alimentos de má qualidade.

Pensando nisso, resolvemos fazer uma lista dos alimentos amigos do coração — que contribuem para mantê-lo firme e forte! Acompanhe!

  1. Azeite extravirgem

O azeite extravirgem age beneficiando a saúde do coração elevando as taxas do bom colesterol (HDL). Ele é rico em ácidos graxos monoinsaturados – responsáveis por diminuir a agregação plaquetária e prevenir o surgimento de coágulos, bem como placas nas paredes dos vasos. O consumo indicado para que ele aja beneficiando a saúde é de duas colheres de sopa por dia.

  1. Vinho

O vinho é fonte de um antioxidante poderoso chamado resveratrol, que tem um efeito cardioprotetor, excelente para a saúde do coração. Ele promove uma elevação das taxas do bom colesterol (HDL), bem como inibe a agregação de plaquetas, prevenindo a trombose e arteriosclerose. A dica é beber no máximo uma taça de vinho por dia. Vale lembrar que o suco de uva é igualmente benéfico.

  1. Peixes

Presentes na dieta mediterrânea — considerada pelos médicos a melhor dieta para a saúde — os peixes de água gelada, como atum, salmão, sardinha e truta são excelentes para a saúde cardíaca. São ricos em ômega 3 — substância capaz de controlar a pressão sanguínea, bem como o surgimento de arteriosclerose. O consumo de 100 gramas desses peixes, duas vezes por semana é o suficiente para os efeitos desejados.

  1. Cebola

A cebola é um alimento rico em vitaminas do complexo B e vitamina C. Contém flavonoides, que contam com propriedades antioxidantes e agem protegendo o coração e diminuindo o teor de gordura no sangue, bem como reduzindo as chances de ocorrer trombose e aterosclerose. A dica é consumir 100 gramas do alimento por dia, adicionando-o a pratos quentes e frios.

 

  1. Oleaginosas – castanhas, nozes, amêndoas e castanha-do-pará

As oleaginosas são ricas em ômega 3, que atua com um anti-inflamatório, reduzindo os triglicérides e prevenindo doenças cardíacas. São fontes ricas de magnésio, cálcio, selênio, fósforo e vitaminas E e B. São excelentes antioxidantes, que controlam os radicais livres. Os benefícios podem ser obtidos consumindo diariamente uma castanha-do-pará, duas nozes ou quatro amêndoas.

O que você achou deste artigo sobre os alimentos que fazem bem para a saúde do coração? Gostou? Compartilhe, então, este texto nas suas redes sociais e ajude seus amigos a se manterem saudáveis!

Povoado que vive nas florestas da Bolívia tem o coração mais saudável do mundo

Imaginar que os problemas arteriais fossem raros no mundo, é um sonho. Em meio a alimentação em fast-food e alimentos embutidos repletos de sódio, as populações urbanas sofrem com um número cada vez mais crescente de problemas cardíacos. Contudo, um povoado boliviano mostra saúde invejável quando se trata de artérias limpas.

Os tsimanes, pequena população 16 mil habitantes que vive nas florestas do norte na Bolívia, tem muito a ensinar quando se trata de alimentação saudável. Um estudo da revista científica Lancet mostrou que praticamente nenhum habitante da população foi diagnosticado com problemas arteriais.

Entre os hábitos saudáveis do povoado, estão o consumo de animais que eles mesmos caçam pescam e a colheita de verduras, legumes e frutas plantadas sem agrotóxicos. Infelizmente, esse é um hábito que não pode ser exercitado pela maioria da população. Contudo, os tsimanes podem oferecer boas lições aos hábitos das populações urbanas.

Hábitos saudáveis

A dieta saudável dos tsimanes é composta por 17% de carnes de porco selvagem, anta e capivara, 7% de peixes frescos e consumo abundante de arroz, milho, mandioca, banana da terra, frutas silvestres e nozes.

Isto representa 72% das calorias vindas de carboidratos, diferentes de hábitos em grandes países como os Estados Unidos, onde 52% das calorias são provenientes de carboidratos.

Outra comparação interessante é a de que 14% destas proteínas vêm de gorduras, menos do que a metade da dieta dos americanos, composta por 52% de gorduras nos hábitos alimentares.

Além de alimentação menos pesada e mais saudável, os tsimanes costumam fazer frequentes atividades físicas. Foi constatado que entre a população, os homens dão, em média, 17 mil passos por dia, já as mulheres caminham pouco menos, chegando a 16 mil passos.

Estes hábitos saudáveis estão incutidos, inclusive, entre a população mais idosa, já que entre os maiores de 60 anos a médias de passos por dia é de 15 mil.

Segundos os especialistas, um estilo de vida saudável pede que as caminhadas tenham ao menos 10 mil passos por dia. Ou seja, os tsimanes levam consigo os hábitos físicos ao longo de toda a vida.

Comparação do coração dos tsimanes com as demais populações

O nível de cálcio é um dos principais indicativos de que as artérias estão saudáveis. O nível elevado pode levar aos riscos de entupimentos dos vasos sanguíneos e, por consequência, parada cardíaca.

A pesquisa contou com 705 integrantes da população tsimanes, além de corpos mumificados, que passaram por tomografia computadorizada. Os exames apontaram que na idade de 45 anos, nenhum tsimanes foi diagnosticado com CAC nas artérias, ao contrário de 25% dos americanos.

Quando alcançam os 75 anos, dois terços da população tsimanes não apresentava qualquer formação de cálcio no coração, ao contrário de 80% dos americanos.

Os tsimanes mostram que é possível viver mais e melhor somando hábitos saudáveis com alimentação e atividades físicas. Uma bela lição para ser seguida o quanto antes.

Eduardo Sirotsky Melzer: Equilíbrio entre a tradição e a inovação

Um dos empresários mais conceituados do Brasil, o administrador Eduardo Sirotsky Melzer é hoje, além de Chairman e Presidente do Grupo RBS, também Presidente do Conselho de Administração do Grupo RBS.

Com graduaçào em Administração de Empresas pela PUC do Rio Grande do Sul e com MBA pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, Eduardo Sirotsky Melzer fez, também em Harvard, os cursos de gestão “Effective Strategies for Media Companies” e “Building and Leading Customer Centric Organizations”.

Após concluir os estudos, iniciou sua carreira nos Estados Unidos, destacando-se como Analista Financeiro Sênior da Delphi Corporation e Diretor-Geral da BoxTop Media, empresa inovadora de comunicação que trabalha mídias não tradicionais.

Eduardo Sirotsky Melzer faz parte da terceira geração de empresários da família e em 2004 entrou no Grupo RBS assumindo o cargo de Diretor-Geral para o Mercado Nacional. Em 2008 tornou-se Vice-Presidente de Mercado e Desenvolvimento de Negócios e, em 2010, Vice-Presidente Executivo do Grupo RBS. Em 2012, tornou-se Presidente Executivo do Grupo RBS e no ano passado passou também a exercer a função de Presidente do Conselho de Administração do Grupo RBS.

A trajetória do Grupo RBS teve início quando Mauricio Sirotsky Sobrinho associou-se à Rádio Gaucha, em 1957. Depois de Jayme Sirotsky juntar-se ao irmão, a Rádio Gaúcha logo inaugurou a TV Gaúcha e logo associou-se à TV Globo. Em 1970 foi adquirido o Jornal Zero Hora, e assim a empresa da família Sirotsky continuou expandindo até tornar-se o importante conglomerado de mídia que é hoje, abrangendo principalmente os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Desde que entrou para o Grupo RBS em 2004, o administrador tem se dedicado à empresa da família, o que trouxe o reconhecimento do Cambridge Institute for Family Enterprise, um instituto de pesquisa e educação dedicado aos desafios e necessidades dos negócios familiares no âmbito global. A lista de líderes do instituto reúne anualmente 25 nomes de jovens executivos que servem como exemplo para a sociedade e são responsáveis pelos negócios da família.

Hoje em dia, o Grupo RBS possui 12 emissoras subsidiárias de TV aberta, 15 emissoras de rádio e 3 jornais. Visando expandir ainda mais a área de atuação do Grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer fundou uma empresa de investimentos no setor digital, tornando-se também Chairman da e.Bricks Digital, que atua no Brasil e nos Estados Unidos com foco nas áreas de mídia digital e tecnologia.

Desde que assumiu a Presidência, Eduardo Sirotsky Melzer faz do Grupo RBS um exemplo de gestão consciente, com foco no desenvolvimento do Brasil e na sustentabilidade, exemplos disso são os investimentos do conglomerado feitos sob sua gestão, como o estudo inédito elaborado em 2014 sobre o futuro da comunicação, o The Communication (R)Evolution. No mesmo ano, foi realizada a primeira edição do VOX, evento que reúne palestras e debates que estimulam o compartilhamento de ideias e a reflexão sobre o mundo da comunicação. Reforçando ainda mais este compromisso, o Grupo RBS lançou em 2015 seu propósito, com o posicionamento “Informar é Transformar”.

Em 96% das cidades do Brasil a tentativa de imunização contra o HPV é ineficaz

Parceria entre ministérios e ampliação de grupos a serem imunizados são algumas das estratégias para alcançar a máxima cobertura contra o vírus

De acordo com informações recentes, divulgadas, em 15 de março, pelos ministérios da Educação e Saúde, somente 239 dos 5.570 municípios existentes no país apresentam registros completos de imunização contra o vírus HPV na carteira de vacinação. Isto é, somente 4% dos municípios existentes em todo território nacional contam com a cobertura adequada contra o HPV.

Conforme dados apresentados, para alcançar a eficácia na imunização contra o vírus é imprescindível que pelo menos 80% das meninas de idades entre 9 a 14 anos tomem as duas doses da vacina, seguindo assim o esquema vacinal completo, uma vez que a imunidade só é obtida por meio das duas doses.

Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, o câncer causado pelo vírus atinge cerca de 16 mil mulheres, levando a aproximadamente 5 mil a óbitos ao ano. Para ele, somente a vacinação será capaz de atenuar os desfechos negativos na saúde do país.

Em dois anos, de 2014 a 2016, cerca de 5,8 milhões de meninas de 9 a 14 anos receberam as duas doses da vacina, ou seja, 55% de toda esta faixa etária.

Ampliando a imunização para outros grupos

A coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunizações substituta, Ana Goretti Maranhão, declarou, que, tendo como base diversos estudos, o HPV é capaz de atribuir resultados negativos também para os meninos. Por meio da inserção deste novo grupo nas campanhas de vacinação é esperado que 3,6 milhões de meninos sejam imunizados. Inicialmente, a cobertura com a vacina será somente para meninos de 12 e 13 anos, sendo ampliada, futuramente, para a faixa etária dos 9 aos 13 anos. Além dos garotos, quase 10 mil crianças e jovens, de 9 a 26 anos, portadores de HIV/aids, pessoas transplantadas de medula óssea ou órgãos, imunocomprometidas, e pacientes oncológicos, também receberão as doses para imunização contra o HPV.

Vacinação em redes de ensino

Com a intenção de enfatizar a tamanha importância da imunização contra o HPV, os ministérios da Saúde e Educação fortaleceram ainda mais a parceria lançando campanha publicitária e de conscientização. Serão fornecidas 10,5 milhões de doses para imunizar 8,3 milhões de meninas e meninos.

Em relação às campanhas que serão realizadas em escolas públicas e privadas, Ana Goretti declarou que a estratégia será mudar o enfoque fazendo com que as vacinas cheguem aos adolescentes no ambiente escolar.

Suplementos alimentares e papinhas com irregularidades são suspendidos pela Anvisa

A Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, proibiu a venda de diversos tipos de produtos destinados a alimentação do bebê e adultos, dentre eles estão as papinhas industrializadas e os suplementos alimentares que alegam ser nutricionais para a alimentação. O Diário Oficial da União, publicou no dia primeiro de março a resolução que explica melhor as novas proibições. Além disso, a Anvisa determinou que não será mais veiculado publicidades irregulares que defendam o uso de produtos que dizem ser terapêuticos ou que tenham alguma funcionalidade não comprovada, isso inclui até mesmo as vacinas, que atualmente já são proibidas pela legislação.

Um dos suplementos a terem a venda e a fabricação proibida foi o Intelimax IQ, que era produzida pelo laboratório Gileadelab Ltda. O suplemento era composto por 30 cápsulas cada uma de 500 mg, e a sua composição apresentava um ingrediente não registrado pelo órgão regulamentador, o levedo de cerveja. O produto ainda apresentava na embalagem a informação de que a Anvisa não precisava autorizar o uso já que tratava-se apenas de um suplemento vitamínico e mineral. No entanto, o ingrediente que não foi registrado requer uma avaliação da Anvisa, sendo o levedo de cerveja classificado como Novos Alimentos ou Novos Ingredientes. A resolução publicada informou que suplemento alimentar Intelimax IQ será tirado de todos os estabelecimentos do Brasil.

A lista ainda inclui suplementos nutricionais de marcas como: Nutrex, Cellucor, USPlabs, Innovative, Muscle Tech e BPI Sports, alguns deles são de uso adulto. Essas marcas tiveram a proibição decretada pela Anvisa por apresentarem ingredientes e substâncias suspeitos ou até mesmo proibidos no Brasil, portanto todos eles também serão tirados das prateleiras de todo o território nacional.

A Anvisa ainda alegou que a empresa chamada EA Suplementos Eireli, teve a proibição da fabricação e venda do produto Digeal 150ml, por não apresentar autorização para manter o funcionamento. Além disso, o produto nem mesmo possui registro pela Anvisa, sendo assim, o órgão decretou que todas as unidades serão fechadas, bem como a apreensão dos produtos produzidos pela empresa. Ainda sobre a EA Suplementos Eireli, o produto conhecido como solidificador de líquidos chamado de EstomaSec, também será apreendido dos estabelecimentos de todo o Brasil.

Em se tratando da alimentação dos bebês, a marca Tangerinepetit teve a proibição decretada tanto para a fabricação quanto para a venda de seus produtos. A Anvisa determinou que todas as papinhas de todos os lotes, seja as de frutas, as papinhas, as comidinhas, o caldo base e até mesmo o leite vegetal produzido pela marca apresentam irregularidades. Os alimentos destinados ao público infantil necessitam de uma regulamentação antes de serem distribuídos, e não foi o que aconteceu com a empresa Tangerine Cozinha Original Eireli. Os produtos eram vendidos sem autorização e registro exigidos pela Anvisa, por isso a sua venda foi totalmente proibida em todos os estabelecimentos.

 

Veja também, Anvisa proíbe venda de lotes de páprica doce e cogumelos.

 

Médicos alertam sobre doenças que podem ser transmitidas pelo beijo no Carnaval

Durante o período de Carnaval a maioria das pessoas quer se divertir e esquecer dos problemas, então se entregam aos blocos de rua e festas típicas desta época, ignorando coisas importantes como a própria saúde. Uma das tradições do Carnaval de rua em muitas cidades brasileiras consiste na distribuição de beijos na boca e é através do beijo que muita gente acaba infectada.

O beijo na boca é responsável por várias doenças, em sua maioria são infecções por vírus, bactérias e fungos que são transmitidos através da saliva. Nesta época, as pessoas se alimentam precariamente e fazem uso excessivo de álcool, o que acaba deixando o sistema imunológico mais debilitado e consequentemente mais vulnerável à essas infecções. Entre as principais doenças mais comuns no período de festas estão: Mononucleose Infecciosa, Herpes Labial, Sífilis, Gengivite, Sapinho e a Cárie. Conheça, neste artigo, algumas características de cada uma delas e as formas de tratamento.

Mononucleose Infecciosa

Causada por um vírus chamado de Epstein Barr e é contraída através do contato com a saliva de pessoas infectadas, a Mononucleose pode causar sintomas bem parecidos com uma gripe forte: mal-estar, dor no corpo, febre, dor de garganta e o desenvolvimento de ínguas. Não há tratamento específico neste caso, em geral, a pessoa infectada deve estar recuperada em algumas semanas.

Herpes Labial

Está é uma doença causada por um vírus,a transmissão acontece através do contato oral com pessoas portadoras dá patologia. Um dos principais sinais de herpes labial é o aparecimento de machucados na boca, como bolhas ou úlceras. É importante destacar que Herpes não tem cura, apenas tratamento paliativo com pomadas.

Sífilis

A Sífilis, causada pela bactéria Treponema pallidum, é transmitida normalmente através dá relação sexual, porém pode acontecer o contágio também pelo beijo na boca. O tratamento é feito com antibióticos, caso não seja tratada, pode se espalhar pelo corpo e causar, inclusive, lesões neurológicas.

Gengivite

Esta é uma doença causada por bactérias que desenvolvem uma infecção nas gengivas. A Gengivite é facilmente tratada realizando a higiene bucal necessária. Os sintomas incluem gengiva vermelha, sensível e inchada.

Sapinho

A candidíase oral, mas conhecida como Sapinho, é uma micose causada por um fungo chamado Candida, que atinge as mucosas da boca e da língua, podendo chegar até a faringe e esôfago. O tratamento pode ser realizado com o uso de pomadas antifúngicas.

Cárie

A Cárie é uma doença infecciosa que também pode ser transmitida pelo contato oral, porém, segundo explica o dentista Fabio de Abreu Alves, da Câmara Técnica de Estomatologia do Crosp, manter uma boa higiene bucal, fazendo uso do fio dental e enxaguante bucal, pode prevenir o contágio.

Sergio Cortes noticia sobre a SABI, doença causada pelas dores no joelho

Muito comum entre quem pratica corrida, a síndrome do atrito da banda iliotibial (SABI) é um tipo de dor que o ocorre na lateral do joelho e acontece de forma frequente em razão de um esforço repetitivo e, na maioria dos casos, consegue ser tratada através de métodos tradicionais, noticia o médico ortopedista Sergio Cortes.

Algumas questões como as dismetrias, que é a diferença no comprimento dos membros inferiores, as pisadas muito pronadas, que são aquelas que provocam uma rotação interna da tíbia, e os “joelhos de cowboys”, gerados pelo encurtamento da fáscia lata, uma estrutura de fibras que envolve a parte lateral da coxa, são alguns dos fatores ligados ao surgimento da doença. As fraquezas nos músculos abdutores da coxa e dos glúteos também podem contribuir para o desenvolvimento da SABI.

A frequência e intensidade dos exercícios físicos são outra questão que também influencia. A SABI é, no geral, observada em pessoas que praticam esportes de forma vigorosa, informa Sergio Cortes. Levando-se em conta que, sempre que a pessoa treina, acontece uma lesão tecidual que precisa ser reparada pelo organismo durante o período de repouso, e quando essas atividades são praticadas muito intensamente, acontece um desequilíbrio que faz com que a lesão se desenvolva.

A doença ocorre pois, durante prática esportiva, no momento em que o pé toca o chão, acontece uma fase chamada pela biomecânica de “momento varo”, em que a superfície articular do joelho tem tendência a se abrir. Nas pessoas com predisposição a doença, o atrito dessa estrutura contra o fêmur, acaba causando irritações e lesões no local, destaca o ortopedista Sergio Cortes.

Entre os sintomas, a principal queixa dos pacientes que sofrem de SABI é uma dor difusa que acontece nas laterais do joelho. Geralmente, os pacientes não conseguem indicar qual é o ponto específico da dor, mas, tendem ela ocorre ao longo da face lateral do joelho. Caso não seja tratada e os pacientes persistam na prática das corridas, os sintomas podem progredir para um desconforto ainda mais doloroso.

Em grande parte dos casos, relata Sergio Cortes, a dor se inicia após a conclusão de uma corrida ou ainda durante uma prova de grande intensidade e esforço. Além disso, os pacientes costumam notar que a dor fica mais forte durante os treinos prolongados, os “sprints” ou ainda quando a pessoa fica sentada por muito tempo.

O diagnóstico e feito através de um exame físico, no qual será notado se existe uma sensibilidade na lateral do joelho aproximadamente 2 cm em cima da linha articular. Se o diagnóstico não for conclusivo ou se alguma outra patologia comum for considerada suspeita, um exame de ressonância nuclear magnética (RNM) pode ser a melhor opção, pois é capaz de fornecer informações adicionais.

Mas as pessoas que sofrem com a doença não precisam se preocupar pois não é necessário abandonar o esporte. O tratamento da SABI irá requerer algumas modificações temporárias na prática da atividade física, na forma como são feitos os alongamentos e no fortalecimento do joelho, informa Sergio Cortes.

Fonte

 

Superbactérias e o gene mrc-1

Quando se fala de bactérias, já pensamos logo nas que causam infecções, mas e quando se fala de superbactérias? As bactérias de modo geral são microorganismos que causam benefícios, como as do trato intestinal, ou prejuízos, como as que provocam infecções de diversos tipos. Já as superbactérias são as que adquiriram resistência aos antibióticos e provocam doenças em um grau mais elevado e de difícil tratamento. Essa modificação em sua genética ocorre devido o uso excessivo ou sem necessidade de antibióticos para tratar determinada doença e para o melhoramento e crescimento de animais de abate.

Em 2016 foi descoberta na China uma superbactéria com uma mutação no gene mcr-1 infectando suínos e alguns indivíduos. Esse gene já foi encontrado em 25 países, de quatro continentes e é capaz de tornar as bactérias imunes a droga Colistina, pertencente a uma classe de antibióticos, utilizada como último recurso para tratamento de bactérias multirresistentes.

Em 2016, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) divulgou um alerta sobre a presença da superbactéria no Brasil e os cuidados que deveriam ser tomados para sua rápida identificação. Pesquisas mostram que o gene mrc-1 tem um alto poder de transmissão podendo ser transferido entre as espécies de bactérias, através do plasmídeo. Um estudo publicado na revista cientifica New Scientist, realizado por pesquisadores chineses e americanos, demonstrou que as moscas são capazes de propagar esse gene, levando os pesquisadores a supor que o gene de resistência pode ter sido transmitido aos seres humanos através das moscas que estavam próximas ao ambiente de trabalho dos chineses, uma vez que a doença surgiu na China, e assim foi se espalhando para outras regiões. Um outro estudo calculou que até o ano de 2050 os microorganismos resistentes aos medicamentos matarão cerca de 10 milhões de pessoas por ano.

Esse caso de bactéria resistente a antibióticos usados em casos de emergência chama atenção para a necessidade de utilizar de forma racional os antibióticos para o tratamento de pessoas e aplicação em animais. Alexander Fleming, descobridor da penicilina, já alertava e demonstrava preocupação a respeito do uso indiscriminado de antibióticos que poderia levar a criação de bactérias resistentes.

 

 

Brasil: país da América Latina com o maior índice de pessoas com transtornos mentais

De acordo com a pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é país da América Latina que possui a maior quantidade de pessoas com depressão. Ao todo em nosso país 5,8% da população possui esta enfermidade. Em seguida, vem Cuba, com 5,5% da população, Paraguai, com 5,2%, e empatados com 5% Chile e Uruguai.

A pesquisa fez levantamento mundial de pessoas que possuem algum tipo de distúrbio mental e constatou que ao todo no mundo existem atualmente 322 milhões de depressivos, quantidade esta que corresponde a 18% a mais do que há dez anos atrás.

Em todo o mundo atualmente, 4,4% da população sofre de depressão, e está já é considerada como a doença que mais incapacita pessoas para o trabalho. Além disso, é a principal responsável pelas mortes decorrentes de suicídios, totalizando 800.000 casos por ano. E também a segunda causa de morte dos jovens entre 15 e 29 anos de idade. Curiosamente, a metade das pessoas atingidas pela depressão, estão localizadas no continente asiático.

Comparando-se a ocorrência da doença entre os sexos, pode-se dizer que as mulheres são as que sofrem mais com a depressão: 5,1% das mulheres são afetadas, já entre os homens, este número cai para 3,6%.

Outro dado levantado pela OMS, foi o de busca por tratamento da doença. Detectou-se que menos da metade das pessoas deprimidas no mundo buscam ajuda. E isto se deve aos seguintes fatores: falta de dinheiro, número insuficiente de profissionais capacitados para este fim, diagnósticos incorretos e infelizmente, o preconceito social existente com pessoas que possuem distúrbios mentais. Em alguns países, esse número é ainda menor, apenas 10% da população ou menos das pessoas com depressão recebem ajuda médica.

A Organização Mundial da Saúde também levantou dados sobre a ansiedade. No mundo, atualmente 264 milhões de pessoas sofrem com algum tipo de transtorno de ansiedade, número que corresponde a 3,6 % da população mundial. Quando comparado com o último levantamento realizado pela OMS, este número é 15% maior, dado que preocupou muito a entidade.

Em relação a ansiedade, o Brasil também aparece como o país latino americano que possui o maior índice de pessoas afetadas. Ao todo no país tropical, 9,3% da população possui alguma forma de transtorno de ansiedade. Este número é assustador, quando comparado com os demais países, que possuem cerca de um terço deste valor. Outros valores obtidos para países da América Latina, foram: Paraguai, com 7,6%, Chile com 6,5% e Uruguai com 6,4%.

Segundo a OMS, os distúrbios mentais são responsáveis por um déficit mundial de 1 trilhão de dólares ao ano.